Quinto Domingo do Tempo Comum

Ir. Tiago R. Cardoso
09 de Fevereiro de 2019

Caros irmãos e irmãs, estamos celebrando o quinto domingo do tempo comum. Tempo comum não porque não temos um motivo especial ou festivo para celebrar, pelo contrário; durante esse tempo litúrgico as leituras focam na vida e ministério de Jesus para nos enriquecer e lembrar do principal mandamento e mistério o qual celebramos na missa: fazei isso em memória de mim (Lc 22, 19; 1 Cor 11, 24- 25).

Diferentemente do domingo anterior e da próxima semana em que a primeira leitura é tirada o profeta Jeremias, meditaremos neste domingo no texto do profeta Isaias o qual nos situa imediatamente no momento histórico em que ele estava vivendo no do qual foi influenciado no ano da morte do rei Ozias (cf 2 Cro 26).

O texto apresenta a visão do Senhor em seu lugar de habitação cercado por serafins numa “adoração litúrgica” exclamando santo, santo, santo é o senhor dos exércitos. Esta imagem litúrgica permaneceu e é usada na Sinagoga e também na celebração Eucarística. Além disso, a mesma visão testemunhal é encontrada no livro de Daniel (cf Dan 7) e mais tarde no livro do Apocalipse (cf. Apo 4) o qual parece juntar a visão apocalíptica da adoração em Isaías com as criaturas em Daniel.

Isaias não somente testemunha mas se oferece, depois de ser purificado, para agir em nome do Senhor. Os seguintes versos que contam o que o Senhor pediu à ele para anunciar não aparecem na leitura mas em suma Isaias é enviado para confundir o povo pois o reino do norte, Israel, estava prestes a cair e consequentemente o mesmo aconteceria posteriormente com o sul, Judá.

O Salmo 137 nos conecta e leva a entender a primeira leitura. Num sentido geral, como os lábios foram purificados para proclamar, o salmo afirma vou cantar-vos ante os anjos, ó Senhor, e ante o vosso templo vou prostrar-me e como os serafins da visão de Isaias, reconhecendo a grandeza do Senhor a esperança que nós, suas criaturas, confiamos nele.

O Evangelho faz uso da paisagem bem conhecida dos discípulos de Jesus, o qual, trabalhando com uma linguagem metafórica expande nossa compreensão. Por exemplo o lago de Genesaré está geograficamente situado, porém, para alguns biblistas vêm a figura da água neste caso pode como uma realidade caótica ou de confusa. Há dois barcos aos quais numa  linguagem figurativa podem ser vistos como duas comunidades diferentes, ou como duas comunidades diferentes daqueles que acreditavam em Jesus como sendo o Senhor – Cristãos, ou como a Sinagoga e a Igreja. O pescar simboliza tirar aqueles que estão imersos na realidade caótica se lembrarmos que no tempo de Jesus havia uma presença pagã– Romana em alguns pontos da margem do lago.

Se consideramos esses significados figurativos, podemos ver a semelhança entre a situação em Isaias em Lucas uma vez que o Senhor ordenou Isaias a ir e no Evangelho Jesus ordena Pedro a pescar – resgatar, ensinar. Isaias sente seus lábios impuros assim como Pedro que diz  Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador.

Finalmente, na segunda leitura, a carta de Paulo, o qual faz um resumo do que depois de Nicéias até os nossos dias acreditamos como nossas profissão de fé em Jesus Cristo que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras […].

Como em Isaias a palavra de ordem é ide e dizei. Paulo testemunha o como ele foi e o que disse. Assim, cada um de nós é chamado não para permanecer estáticos mas para ir e dizer, ensinar, pregar não esquecendo o que Paulo disse a Pedro: não tenhas medo.

O Chamado de Sao Pedro

O brasão nos permite identificar a figura do doador ajoelhado como Vincenzo Aschieri, que dirigiu a abadia beneditina de Novalesa (Turim) a partir de 1398 e morreu depois de 12 de dezembro de 1452. Os painéis foram pintados por Giacomo Jaquerio, que nasceu em Turim e trabalhou na Corte de Sabóia, e se tornou um nome de destaque no estilo gótico internacional do Piemonte, França e Suíça. Os toques corteses podem ser vistos no brilho esmaltado das cores, na elegância das linhas, que são perseguidas no cabelo do anjo, e na representação sonhadora do castelo rosa pálido contra o azul ultramarino do fundo..


Fonte: Google Arts & Culture

Irmão Tiago Rangel Cardoso
irmão de Sion
vive em Jerusalém

Compartilhe com seus amigos

Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion
portal[arroba]sion.org.br