Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Domingo de Ramos

Bendito o que vem em nome do Senhor

Ir. Maycon dos Reis Custódio
14 de Abril de 2019

Chegamos ao Domingo de Ramos, e como Igreja vamos comemorar a entrada do Senhor em Jerusalém antes de sua Páscoa. Iniciaremos “com toda a Igreja, a celebração da Páscoa do Senhor”, reza a primeira oração. Portanto, trata-se de um período de forte vivência do Mistério Cristão da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

A Celebração de Ramos se divide em duas partes. Num primeiro momento a Comunidade se reúne fora da Igreja para ouvir o Evangelho de Lucas (19, 29-40) que narra a entrada do Senhor em Jerusalém, montado num jumento, símbolo da realeza (1 Rs 13,13). Para lembrar a entrada do Senhor em Jerusalém, os fiéis são convidados a realizarem também uma procissão, evocando as palavras do salmista: Hosana (Salmo 118,25), que significa salva-nos, repetidas na cena evangélica.

Deste modo, repetindo gestões e ações rituais tornamos atuais as ações salvadoras do Senhor. Já a Liturgia da Palavra  nos oferece sólido alimento da Palavra de Deus para nossa oração e vivência do Mistério de Cristo. Na primeira leitura, o profeta Isaías nos apresenta a personagem do Servo, figura de servo obediente a Deus e que assume as consequências da sua obediência. Malgrado as inúmeras dificuldades encontradas por este Servo, permanece como testemunho perene sua confiança em Deus e o socorro do Senhor: “Mas meu Deus é auxiliador […] não me deixei abater o ânimo […] porque sei que não sairei humilhado”. Ao longo da Profecia de Isaías aparecem três referências a este Servo. A Igreja, iluminada pela luz de Cristo, interpretou estas passagens com referência a Jesus Cristo e ao Mistério da sua Paixão. São Paulo, na segunda leitura, faz referência a isso, ao apresentar Jesus como modelo de obediência. O Apóstolo também nos apresenta de maneira catequética o âmago do Mistério que celebramos na Semana Santa: Cristo que, sendo Deus, fez-se homem e assumiu as consequências da obediência até a morte na Cruz. Justamente por sua obediência absoluta a Deus é que “é exaltado acima de tudo”, através da sua gloriosa ressurreição.

Através da Liturgia de Domingo de Ramos todos somos chamados a percorrer este caminho junto com o Senhor Jesus. Que caminho é este? Primeiramente o caminho de conformar nossa vida à vontade de Deus. Também somos chamados a seguir os passos de Jesus, pela obediência, entrega total de nossa vida a Deus, ou, como ensina o nosso Papa Emérito Bento XVI, somos chamados a “configurar nossa vida a Cristo”. Ao celebrarmos a Semana Santa, os momentos mais significativos da vida do Senhor, nós nos permitimos configurar nossa vida à vida de Cristo? A oração da Coleta da Missa nos indica com que propósito devemos celebrar a Semana Santa: “Concedei-nos aprender o ensinamento da sua paixão e ressuscitar com ele em sua glória” pois, “sua morte apagou nossos pecados e sua ressurreição nos trouxe vida nova”, afirma o prefácio da Missa.

Peçamos à Santíssima Virgem que nos acompanhe neste caminho santo em direção à Pascoa do Senhor e que ela interceda pela Igreja, para que todos nós, batizados, possamos celebrar com alegria e confiança o Mistério Pascal de Jesus Cristo, o “Rei bendito que vem em nome do Senhor”.

 

Christ Mocked (The Crowning with Thorns) - Hieronymus Bosch, about 1510

Fonte: Google Arts & Culture

Este comentário litúrgico foi escrito por
Ir. Maycon dos Reis Custódio, nds
Religioso de Sion
Jerusalém, Israel

Compartilhe com seus amigos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Congregação dos Religiosos de Nossa Senhora de Sion
portal[arroba]sion.org.br

Viva Nossa Senhora de Sion!

Assine a nossa lista de e-mails e receba notificações de novas publicações.